MB Flora o início

In Ações by Leandro KnoblochLeave a Comment

Foi em janeiro de 2016 comendo uma maçã que o projeto começou, poderia usar o famoso símbolo da “apple” para estampar o projeto, mas prefiro morangos…voltando ao início, estava eu no escritório em que trabalhava e, quando fazia uma boquinha vi que, no interior da maçã as sementes já estavam germinando, resolvi então planta-las…

Dessa forma surgiu a primeira muda do projeto, nos dias seguintes a este, comecei a guardar sementes das frutas que consumia, para germinar, no entanto a intenção era criar um pomar doméstico, essa ideia foi logo superada, quando refletia sobre continuar divulgando lugares na natureza para um público cada vez maior, pensei em parar de levar pessoas para trilhar em meio a natureza, mas uma ideia surgiu, semear com estes frequentadores a iniciativa de plantar. Nasceu o projeto…

O meu conhecimento que ainda é bem reduzido era quase nulo naquele momento, apesar de já ter participado de projetos de reflorestamento da prefeitura da cidade do Rio de Janeiro entre os anos 2007-2008, mas naquela época eu era apenas fotógrafo e meu olhar atento era apenas para as imagens, para começar  me reportei inicialmente ao Horto Florestal de Tramandaí, município vizinho, comecei então a ter contato com a produção de mudas em grande escala, obrigado Renato Buhler e todos amigos do Horto,  que sempre foram muito prestativos e grande parceiros.

As nossas primeiras mudas eram plantadas em qualquer recipiente que tínhamos ou ganhávamos e, estas ficavam espalhadas pelo meu jardim, soltas e em caixotes…

Passado alguns meses, estávamos no outono e comecei a notar que as mudas deram uma “travada” no crescimento, a temperatura começava a mudar na nossa região, Osório-RS, as noites já estavam frias e muito úmidas, a geada logo chegaria, tinha então que pensar em algo para proteger as mudas, que já estavam sentindo o clima, comecei colocando diariamente todas as mudas para dentro de casa ao anoitecer, isso começou a dar uma trabalheira danada, não tinha ideia de construir estufas, pois achava que com 2 ou 3 meses após germinadas as mudas já poderiam ser plantadas em solo definitivo, o que não se confirma, temos mudas com mais de 12 meses que ainda estão em viveiro.

Hora de construir a primeira estufa, queria fazer algo prático, pois o meu tempo era curtíssimo, pensei em fazer então algo sem uso de ferramentas como furadeira, martelo e serra, fui a uma ferragem e comprei canos de pvc, os mesmo usado para fazer encanamento, em uma agropecuária comprei o plástico de estufa e fui pra casa. Em menos de uma hora estava feita a nossa primeira estufa, ficou em formato de cúpula como eu desejava, usei além do material comprado linha de pesca e pedras de jardim para enrolar o fundo do plástico, ela ficou assim…

Eu gostei muito do resultado, o bom é que aproveitei bem aquela primeira noite, curti bastante mexer com as plantas naquele ambiente, afinal agora já estava em um outro nível, mas…tão rápido quanto ela foi feita, foi também desfeita, não tive nem tempo de tirar uma fota dela concluída, no dia seguinte acordei pra trabalhar e já estava ventando, Osório é uma das cidades que mais venta no mundo, não a toa é chamada de cidade dos bons ventos e possui um dos maiores parques eólicos  da terra, não deu outra, o vento embalou no decorrer do dia e quando cheguei em casa a lona estava toda arrebentada, a estrutura funciona, mas para a região precisaria ser algo mais resistente, ou com algum reforço, naquela noite tive a certeza de que muitos projetos não se concretizam pelo fato das pessoas não terem tempo para se dedicar, eu não tive tempo para ter feito melhor, mas teria que ter um pouco de tempo para pelo menos retirar as mudas daquela estrutura destruída, o vento “chicoteava” a lona sobre as mudas, muitas se quebraram, a cena não foi legal, afinal foram meses desde a coleta das sementes até o atual momento, as mudas que não estavam quebradas o vento mesmo estava maltratando, se as deixasse ali naquela noite eu iria perder muitas outras, poderia ter então parado, mas respirei, peguei meus velhos caixotes e comecei novamente a transporta-las para dentro de casa…

No final de semana seguinte estava decidido a fazer outra, dessa vez não teve jeito, não pude fugir das ferramentas, levei 3 dias para fazer a nova estufa, mas dessa vez reforçada para aguentar as condições climáticas extremas da região, madeira, parafusos, arames, presilhas e dobradiças, e sim, deu certo, claro que durante o inverno alguns remendos foram feitos, mas a estrutura se manteve original até meados da primavera, quando algumas alterações foram feitas visando a diminuição do calor interno.

Foi assim que começou…

Obrigado a todos que contribuíram!

Leave a Comment